A fase presente de meu ministério

 ministério do profeta

…revivificação, estando bastante cansado, e gasto. E tivemos muito companheirismo pela estrada, reuniões maravilhosas, saudando os cristãos de lugar a lugar, desde cima até a Costa Leste, e também na Costa Oeste lá no Canadá. E com a boa cooperação entre todas as diferentes igrejas denominacionais, das Assembléias de Deus, da Pentecostal Unida, Igreja de Deus, Quadrangular, e muitas outras organizações as quais cooperaram, tendo grandes reuniões. Um grande sucesso, desde que isto pudesse ser chamado sucesso hoje, e talvez muitos chamariam isto de “grande.” Mas, eu mesmo, sou um – um – um reavivalista. E o reavivamento, nacionalmente falando, está quase terminado. E somos…eu gosto de ver um reavivamento onde os corações estão em fogo, não aumentando números, mas reavivamento. Nosso Senhor fez muitos milagres de curar o povo, e, naturalmente, muitos foram salvos. E agora estou em casa, descansando por pouco tempo, e voltarei para o serviço numas poucas semanas , o Senhor permitindo.

E agora isto é para as muitas pessoas e amigos meus ao redor do mundo. Eu gostaria de exprimir nesta noite, aqui no Tabernáculo, se você, qualquer um de vocês estivesse presente e pudesse ver, elas estão realmente com calor aqui no Tabernáculo nesta noite. Pessoas estão acumuladas dentro e por todos os lados, de pé nas portas, e do lado de fora nos carros e coisas, e está fazendo muito calor, e será dificil para o povo e também para mim mesmo.

Mas tenho vindo a este lugar que eu quero explicar qual a fase do tempo estamos vivendo de acordo com o ministério o que o Senhor me deu. E eu queria gravar isto daqui do Tabernáculo. Isto veio ao meu coração na última primavera, mas eu esperei até que eu voltasse aqui e pudesse conseguir uma – uma gravação disto, para enviar – la a vocês, todas as pessoas no mundo.

Tem sido cerca de trinta e dois anos atrás, quando o Senhor Jesus, não mais de cento e cinquenta jardas (aproximadamente 140 metros – Trad.) de onde estou presente de pé agora, aqui em Jeffersonville nas Ruas Oito e Penn, na manhã quando eu lancei a pedra fundamental deste Tabernáculo, era somente um pântano. E eu morava atravessando para o lado, à minha esquerda aqui. Isto foi antes de eu me casar. Eu estava morando com meu pai e minha mãe. O Senhor Jesus me despertou na manhã que a pedra fundamental havia de ser lançada, cedo, mais ou menos às seis horas. E eu estive deitado na cama por algum tempo, com meu coração cheio de regozijo, pensando nesta grande hora na qual o Senhor Deus me daria um Tabernáculo para pregar. Eu era então apenas um jovem. E naquele dia eu. . .a garota com a qual eu estava, a qual iria ser logo minha esposa no ano seguinte, estava conosco no dia em que lançamos a pedra fundamental.

E eu me lembro naquela manhã quando acordei, e deitado no quarto, situado no andar superior bem aqui na Sétima rua. Algo disse: “Ponha – se de pé.” E eu me levantei. E eu vi, como isto era, um grande lugar e era como um – um – um lugar onde havia um rio correndo no vale. E eu desci lá no rio e entendi que aquele era o lugar onde João Batista havia batizado o povo, e eles haviam transformado aquele lugar numa sujeira. E eu estava criticando aquilo, simplesmente dizendo que aquilo não deveria ser feito.

Deus fala ao profeta

E enquanto eu estava lá, havia uma – uma Voz que falou comigo e me levantou, e eu observei o Tabernáculo mais ou menos no estado em que está agora. Mas lá havia tantas pessoas todas acumuladas ali dentro, dentro do Tabernáculo, nesta condição, mais ou menos no estado que ele está agora. E eu – eu estava feliz, de pé atrás do púlpito, dizendo: “Deus, quão bom Tu és em me dar um Tabernáculo.”

E, naquela hora, o Anjo do Senhor falou comigo, e disse: “Mas este não é o seu Tabernáculo.”
E eu disse: “Então, Senhor, onde está meu Tabernáculo?”

E Ele me tomou no Espírito outra vez, e me assentou em um bosque. E descendo o bosque havia somente fileiras de árvores plantadas no mesmo nível, mais ou menos de vinte pés de altura, ou trinta. E elas pareciam árvores frutíferas, e elas estavam dentro de uns baldes verdes grandes.

E então observei à minha mão direita e à minha mão esquerda, lá havia um balde vazio em ambos os lados, e eu disse: “E estes?”

E Ele disse: “Você tem que plantar neles.” Então eu tirei um galho de árvore de minha direita e coloquei no balde no lado direito, e um galho com a mão esquerda e coloquei no balde do lado esquerdo. E eles cresceram rapidamente em direção aos céus.

E Ele disse: “Estenda suas mãos e ajunte o fruto daquilo.” E em uma mão caiu uma maçã grande e amarela, suculenta e madura. E na outra mão caiu uma ameixa grande e amarela, suculenta e madura. E disse: “Coma do fruto daquilo porque é agradável.” E eu comi de uma e da outra, muito deliciosas. Vocês conhecem a visão, foi escrita em um dos livros, eu penso, que foi, “A História da Vida” ou “O Profeta visita a África.”

E logo então eu levantei minhas mãos, e eu estava gritando a glória de Deus. E de repente, aquela Coluna de Fogo veio sob o topo daquelas árvores, e o trovão e os relâmpagos lampejaram, e o vento soprava muito forte, e as folhas começaram a sair das árvores. E eu olhei para baixo, aqui de pé a forma deste Tabernáculo, da maneira que ele está agora. E no fim onde o púlpito deveria estar, lá havia três árvores, e aquelas três árvores tomaram forma de três cruzes. E eu observei que ambas, ameixa e maçãs, estavam juntas em um cacho ao redor no meio da cruz. E eu corri bem depressa, gritando com toda minha voz, e eu cai sob esta cruz, ou próximo da cruz, e lancei meus braços ao redor dela. E o vento começou a balançar, e o – o fruto da cruz caiu sobre mim. E eu estava tão contente, somente regozijando. E disse: “Coma do fruto disto, porque é agradável.”

William Branham - A unidade de Deus numa unica igrejaEntão este Fogo circulante clamou, disse: “A ceara está madura, mas os trabalhadores são poucos.” E Ele disse: “Agora, quando você voltar a si novamente, ou sair disto, leia II Timóteo 4. II Timóteo 4.” E então eu voltei a mim. E eu fiquei lá de pé esfregando minha face e minha mão. E logo então, no canto do quarto, o sol brilhava forte, assim eu devia ter estado sob a visão por uma hora ou mais, e Ele disse: “II Timóteo 4.” E rapidamente apanhei minha Biblia, e li II Timóteo 4.

Agora, eu gostaria de ler aquilo agora. E quão estranho isto parece, quando leio II Timóteo 4, no lugar no qual parei, e muitas vezes que tenho pregado sobre isso aqui neste Tabernáculo, parece estranho que eu sempre pare nisto. Agora em II Timóteo 4, os primeiros cinco versículos. Os quais, cinco é o número da “graça.” Lerei isto.
Conjuro-te pois diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino,
Que pregues a Palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.
Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;
E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.
Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra dum evangelista, cumpre o teu ministério.

Você já observou, e eu nunca observei isto até este último maio, eu nunca li daquela Escritura mais do que até ali? Isto é tudo que já li sobre isto, porque aquilo parecia como que isto – isto fosse suficiente, porque estava me dizendo para pregar a Palavra e para suportar as aflições, e para ser paciente, porque virá tempo em que não sofrerão a sã Doutrina, mas tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas concupiscências, e desviarão da Verdade voltando às fábulas. Mas, agora, Ele nunca disse que eu era um evangelista. Ele disse: “Faça o trabalho de um evangelista.” Paulo dizendo a Timóteo, vêem. Você já observou como ele diz? Ele não disse: “Agora, você tem sido chamado para ser um evangelista.” Ele disse: “Faça a obra de um evangelista.” Vêem? Agora, então observamos lá. Agora, se eu dissesse de todo o meu coração e de todo meu conhecimento que tem sido cumprido ao pé da letra. Exatamente. Isto é trinta anos atrás.

E até onde eu saiba, cada visão que Ele tem me dado tem sido cumprida exceto uma de que mudarei meu ministério, onde eu orarei pelo povo em um pequeno lugar como um quartinho sob uma tenda, ou um grande auditório ou algo. Aquilo parecia, para mim, como uma tenda. Vocês recordam daquilo dois ou três anos atrás? Tudo que aquilo causou. Eu estava para ir no México, e como choveria aquela noite e o que aconteceria lá embaixo. E Ele me falou da primeira puxada de meu ministério. Recordam acerca daquele peixinho que foi apanhado, ou perdido? O segundo era um peixinho pequeno. Mas então Ele me disse: “Na terceira puxada, não falha. Vêem? E não diga ao povo.” Eu sempre estou tentando explicar o que estou tentando fazer. Ele me fez saber que não fizesse ao povo saber o que estava fazendo. Somente fazesse o que Ele me dissesse para fazer e deixasse isso. Vêem?

Mas eu sou aquele tipo de pessoa, não tenho segredos, então eu simplesmente digo tudo que sei. Então, aquilo, isto é somente a criação, penso eu. Mas que, eu tento. . .eu amo as pessoas, e eu quero ardentemente que as pessoas sejam salvas e assim tento dizer-lhes tudo que sei, a não ser que seja algo que Ele me disse para não dizer, claro, então para que eles não percam isto. Vêem? Eu quero que eles vejam isto tão de perto, que lá não haverá erro nenhum nisto.

Agora, aquilo aconteceu exatamente. Agora recordem, a exortação era, se nós formos estudar aquilo por um momento, “Eu te exorto perante Deus, e o Senhor Jesus Cristo, o Qual julgará os vivos e os mortos perante Seu juizo em Seu Reino.” Vêem? “Julgar…Te exorto perante Deus, e Cristo, que você – que você pregue a Palavra.” E então ajuda-me, até esta noite, até onde eu tenha qualquer conhecimento, nunca tenho pregado nada a não ser a Palavra, vêem, e permaneci certo com Ela. Têm havido vários problemas, e eu tenho passado por várias perseguições e várias provas, tive que separar de muitos amigos preciosos por causa desta afirmação: “Pregue a Palavra.” E eu – eu.
Mensagem pregada pelo profeta William Branham: A fase presente de meu ministério – Parágrafos: 1-18.

Para obter a mensagem completa clique no link ao lado: A FASE PRESENTE DE MEU MINISTÉRIO

Esta entrada foi publicada em Ministério e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.