Caçando para ganhar a vida

Quando eu era mocinho, aqui mesmo no caminho onde vivias Eichs, eu era como que de 14 anos de idade, estava caçando por meio de armadilhas para ganhar a vida. A única coisa que tinha para ajudar a conseguir o pão em nossa casa era pegando raposas, sarigueias, e mamífero insectivo.

Branham e aguia

Eu gostava de caçar e tinha que faze-lo… Ia à escola cheirando como uma raposa, eu só tinha um par de roupas e isso era tudo o que podia vestir. Isso era tudo que tinha. Mamãe as tirava e as lavava, e eu tornava a vestir; e agora, assim é como ia à escola, mocinho. Mas uma noite me encontrava ali parado, eu disse: “Tenho preparado estas armadilhas ali em cima ao arredores de Wathen, acima sobre isso”.

Cada manhã saía cerca de 2:00 horas com uma lanterna para recorrer essas armadilhas, logo regressava a tempo de ir para a escola. Agarrando um coelho obteria dele 15 centavos. Obteria uma caixa de balas disso e talvez isso matava três ou quatro coelhos. O que não tínhamos para fazer alguns biscoitos, e coelhos – claro, e molho para a janta, venderia o outro talvez obtivesse o suficiente para conseguir algum pão, ou alguma farinha para com ela fazer a sopa. Não sei se vocês tiveram que viver assim ou não.

Eu fixaria linhas para trutas no rio, descia e obtinha esses peixes e os vendia a 10 centavos a libra. Punha minhas linhas para trutas. Não tinha um barco, nadava numa tora. Entrava no rio e ainda estava frio… punha meu balde de isca aqui na tora (tora de madeira – Tradutor) e para… remava e remava desta forma, meu corpo desnudo no rio, e corria isto… Tinha um barbante deste lado, atava a meu peixe. Esses velhos bagres movendo as barbatanas em minha perna, seguindo desse modo, e punha minha isca em…

Mas vejam, muitas noites eu ia a esse rio às 11:00hs e sacudia cada isca daquela linha. Se não apanhava o suficiente em seis dias, não queria o que vinha no sétimo dia. Permanecia ali na chuva.

Uma noite verdadeiramente posso ver-me ainda de pé, recostando-me contra… eu era um pecador, porém, estava de pé, recostando-me assim contra o poste da porta. Oh, estava chovendo, cerca de 11:00hs. Eu disse: “Esta noite tardarei, mas vou armar cada uma dessas armadilhas. Não os apanharei no Sábado”. Eu disse: “Eu não… porei essas armadilhas”. Deus honrou isso.

Me recordo da vez quando sempre desejei, sempre em toda a minha vida quisera ser um caçador. Meu avô o foi. Vocês sabem, minha mãe vem das reservas, ela tirou uma pensão. Verdadeiramente me agrada o ar livre.

E recordo que sempre quis… eu… eu só desejava toda minha vida… Pensei que se alguma vez obtivesse suficiente dinheiro até que pudesse possuir um rifle 30-30… Se alguma vez o conseguisse, obteria um montão de armadilhas. Iria às montanhas, desejava ir pelo resto do mundo. Pensei: “Talvez se alguma vez tomar meu 22 e praticar para ser um bom atirador, algum dia algum caçador desejará que o acompanhe. Se eu conseguir ser um bom atirador, ele me deixará acompanhá-lo para sua proteção, conseguirei ir caçar”. Eu olho, pendurado em minhas paredes, e ali pendurados os melhores rifles que possa comprar o dinheiro, até ao ponto em que posso emprestar rifles às pessoas que vão caçar.

ele me deixa ir às montanhas e pregar, e alguns dos melhores guias que há no mundo me levam a caçar grátis. “Assombrosa graça, quão doce som”.

Quando eu… Ainda esta manhã, um velho caçador de veado aqui em algum lugar com um Remington 35… na verdade eu não necessitava do rifle… porém ele me abraçou, disse que estava ficando velho para caçar: “Quero dar-te um rifle”. Pensei em quando eu era mocinho, sim, jamais pensei que possuiria um rifle como aquele; oh, se houvesse sido. E agora apenas penso: bons rifles dependurados ai em minha parede, lugares para ir caçar.

Me recordo que saía e os moços compravam sorvete. E algumas vezes alguns deles tinham uma moeda de cinco centavos extra e compravam um para mim. Oh, eu não podia comprar outro. Pensei: “Se eu…”

E algumas vezes eles costumavam comprar estes velhos, o que nós chamamos “sanduíches de garotos desprezados”. Não sei se todos vocês se recordam ou não, mas alguns de vocês os de então… o obténs por uma moeda de cinco centavos, um montão de cebolas fritas com ele. Oh, me agradam essas coisas. Um garoto, não tínhamos… Só pão de milho e melado… vocês sabem como é… para comer.

Agora, alguém comprava um desses sanduíches para mim, e, moço! Até lambia os dedos com que o pegava. Era… era… tão gostoso. E eu pensava: “moço, esse homem; se eu pudesse comprar um sanduíche para ele”. E agora posso comprar a uma igreja seu jantar.

Me recordo de todas estas coisas e de onde vem? Da graça de Deus, nada que eu fizesse.

Me recordo indo rua abaixo aqui e falava a alguém. Meu pai – todos sabem – ele bebia; ele fazia whiskey. E isso… ninguém queria ter nada a ver comigo. Eu ia rua abaixo e tratava de falar ao homem, ainda encontro a esses homens hoje. Tratava de falar com alguém, se não houvesse ninguém mais com quem eles falassem, então eles parariam: “Sim, oh, oh”. Vêem? Eu era um Branham.

Portanto, me sentia mal e me voltava e me separava. Pensava: “Não sou culpado disso. Não fiz o que meu pai fazia. Nunca bebi em minha vida. Por que tenho que passar por isso?” E aqui, não faz muito tempo, estava contando à minha esposa: “Quase tive que permanecer fora do povo”. De fato Deus tem sido bom comigo.

Pensei onde ele disse a Natã uma vez ali assentado. Natã… Davi disse: “Está correto que eu habite em cada de cedro, e a arca de Deus ali embaixo numa tenda coberta”. Ele… (I Crônicas 17: 1).
O profeta Natã disse: “Davi, faça tudo o que estiver em teu coração, porque Deus é contigo”. O profeta cometeu um erro não voluntariamente.
Aquela noite o Senhor veio ao profeta, disse-lhe: “Vá e diga a Davi meu servo: “Eu te tomei da frente do rebanho, pastoreando ali aquelas poucas ovelhas, e lhe dou um nome como o dos grandes que estão na terra. Davi por ti tenho feito todas estas coisas. Tenho tangido teus inimigos onde quer que tenhas ido. Tenho estado ao teu lado. Nunca tenho falhado e nem falharei. Porém não te deixarei edificar a cidade”.

Pensei nisto, de um lugar que agora Deus me tem ajudado e me deixado conhecer grandes homens, me deixa ir ao redor do mundo. E gente ao redor do mundo clamando para eu ir orar por eles, e gente enferma, e desejando uns poucos minutos consigo, onde não há muitos anos eles tem mesmo voltariam sua cabeça para me ver na rua. E agora, os homens de negócio prosperam pela gente que trago à cidade e que tenho aqui, por meio de sua comida e suas contas nos hotéis e coisas como essas, tenho… indo aos hotéis e ao redor da cidade e coisas como essas.

Gente que… A gente não me amava de todo, ninguém necessitava de mim. E agora, pela ajuda de Deus creio que estou dirigindo a Noiva de Jesus Cristo. “Oh, assombrosa graça! Quão doce som!”

De onde veio? De minha educação? Não tenho nenhuma. De onde veio? De minha personalidade? Não tenho nenhuma. Que fez isto? A graça de Deus que me salvou.
Mensagem: Perguntas e respostas N° 2 – Parágrafos: 258 ao 275

Esta entrada foi publicada em Esperiências do profeta, e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.