Deus não diverte as pessoas

Você sabe qual é o problema? É porque as pessoas vêm à igreja. As pessoas hoje querem diversão. Eles pensam… os Americanos são tão divertidos, e é isto que eles têm que ter. Aquilo — aquilo — aquilo alimenta o espírito que está neles. É um espírito de diversões. Você tem que diverti-los.

Deus não diverte as pessoas. Ele repreende o povo. O julgamento começa na casa de Deus.

E quando chega o tempo da igreja ter que ter jantares de sopa, e danças, e jogos de azar, e toda espécie de vendas e desordens sem sentido para pagar seus pregadores, que Deus tenha misericórdia daquela igreja. Correto.

Nós precisamos do Espírito Santo em poder e adoção, para que o nosso ministério se manifeste. Amém. Mas as pessoas, quando elas vão ver algo, elas vão ver um — um certo ministério. “Este irmão aqui tem determinado ministério.” Bem, eles vão e dizem, “Oh, sim, isto é muito bom. Hum — hum. Isto está bem. Bem, tudo certo, onde iremos amanhã?” Algo mais. Vêem? Isto não os atrai de modo algum. Eles simplesmente vêem tanto a bondade de Deus, até que casualmente se afastam disto.

Agora, nós chamamos de “comunhão,” mas não é comunhão. Comunhão é conversar, ter comunhão. Ter comunhão, é quando nós paramos e falamos com o Senhor, nos comunicamos. Mas, agora, isto se chama “a ceia do Senhor.” Eu me pergunto como alguns destes modernistas, que não dizem mais “ceia,” e a chamam de “jantar,” como eles darão a volta nisso? Vêem? Hã - hã. Vêem? Sim, senhor. É a ceia do Senhor. Nós simplesmente cremos na Bíblia da maneira que Ela diz.

Isto me lembra uma velha estória inglesa. Dizem que certa vez havia um homem que tinha lido a respeito do mar, de quão belo era, quão magníficas eram as grandes e salgadas ondas do mar que saltavam, e as — as gaivotas voando por cima. E que coisa maravilhosa; ele nunca havia visto o mar. E então ele…certo dia ele — ele ajuntou suficiente dinheiro para ir ao mar. Ele desceu pelo interior, até que ele chegou ao — perto da costa marítima. E ele encontrou com um velho cheio de sal (e este era um marinheiro) vindo do mar. E ele disse: “Para onde vais tu, meu bom homem?” Ele disse: “Oh, eu li a respeito do mar. Eu vou ao mar. Vou olhá-lo com os meus próprios olhos, a sua beleza e suas e magnificentes ondas enquanto elas se quebram no grande e salgado mar branco. Eu vou cheirar o ar salgado e encher os meus pulmões daquilo, ouvir o grito das gaivotas, e assim por diante.” Oh, como ele estava tão jubiloso em saber que ele estava indo ver aquela grande massa d’agua.

Então, o velho salgado olhou para ele e disse: “Bem, eu nasci nele há cinquenta anos atrás. Não vejo nada para que se possa pasmar com ele.” Vêem? Ele havia visto tanto aquilo, que se tornou tão comum para ele, e não era bonito mais. Aquilo não era nada para ele. Ele simplesmente se colocava lá de pé, e balançava pelas ondas e não prestava nenhuma atenção àquilo.

Agora, esta é a maneira que a igreja está com Deus. Nós vemos o Espírito de Deus e o reavivamento caindo, e sacode as pessoas, e as levanta das cadeiras de rodas. E — e os aleijados andam, e os cegos vêem, e o Espírito de Deus cai nas reuniões, discerne os próprios pensamentos em seus corações. E grandes coisas proféticas são ditas, perfeitamente todas as vezes, exatamente. E a igreja diz, “Bem, isto está bem.” Um grande grupo de mascadores de chicletes, assentados ali, você sabe, “Sim, isto não tem problema. Nós vamos ver Lucy amanhã à noite, somente não vamos… (Vêem?) O pastor deseja nos condenar, deixe que nos condene. Iremos para esta outra denominação, se ele deseja nos condenar. Nós iremos e nos uniremos ou… se ele nos tirar para fora da Igreja de Deus, nós vamos para as Assembléias. Se nos tirar das Assembléias, vamos aos Unicistas. Se nos tirarem dos unicistas, iremos para os da Dualidade. E nós…tirarem da Dualidade, iremos para os Trinitarianos. Pois temos lugares suficientes.” Vêem?” Sim, você tem um lugar. Mas, irmão, só há lugar para Cristo em você, se você deseja vir a Ele. Oh, Deus tenha misericórdia da igreja deste dia.

Eu pararei depois desta noite, porque não quero fazer com que vocês fiquem zangados. Mas eu só — eu apenas tive que usar estas noites para vos instruir nisto, para vos fazer saber que a igreja está em uma terrível condição. Certamente está. Nosso zelo, estamos simplesmente indolentes, vocês sabem, como sentimentais. Deus não quer que sejamos assim. Ele quer que nós…
Eu penso nisto:
Não me fale, de números pesarosos,
A vida é apenas um sonho vazio!
A alma morta que descansa,
E as coisas não parecem ser o que são.
A vida é real! A vida é uma realidade!
E a sepultura não é o seu gool;
Pois, “Tu és pó, ao pó tornarás,”
Da alma não se disse nada.

Eu gosto de certos versos deste salmo da vida:
As vidas de grandes homens sempre nos recordam (Paulo, Pedro, Tiago, João)
A vida dos grandes homens nos faz recordar
Podemos fazer com que nossas vidas sejam sublimes,
Deixando para trás de nós,
Pegadas na areia do tempo.
Pegadas que talvez outros,
enquanto navegam no mar solene da vida,
Pois um desamparado irmão náufrago,
ao vir tuas pegadas,
Tomará coragem no coração outra vez.
Mensagem pregada pelo profeta William Branham: A Ele ouvi – Parágrafos: 101-107.

Para obter a mensagem completa clique no link ao lado: A ELE OUVI

Esta entrada foi publicada em Igreja e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.