O ministério de Paulo – Eu uma vez fui de vocês

Agora apenas… E eu espero e confio que eu não aborrecerei a vocês irmãos e irmãs, sobre isto. Porém eu acho que eu gostaria de me tornar claro, de modo que vocês não tenham que ouvir o que alguma outra pessoa disse. E eu tenho explicado, muitas vezes, em outros encontros ministeriais, porém esta é a minha primeira visita ao grupo de Chicago, e eu gostaria de me dar a conhecer bem mesmo, naquilo que eu estou tentando fazer.

No abençoado velho Evangelho aqui, capítulo 26 do Livro de Atos, nós lemos.
Pelo que, ó rei Agripa, não fui desobediente á. visão celestial.

Este, naturalmente, Paulo falando. O qual, nós todos, como ministros, gostamos de nós todos, como ministros, gostamos de nos refletir de volta a ele, porque ele… Nós, unanimemente, cremos que ele foi o apóstolo par a igreja gentia, que Deus o chamou para ser uma – uma testemunha aos gentios. E se levantou questão sobre o seu ministério.

A Palavra de Deus é pregadaE normalmente, quando qualquer coisa que é incomum surge, levanta-se questão sobre ela. É, e eu penso que não é mais do que certo; deveria se levantar questão sobre isso. E eu penso que pastores algumas vezes ficam receosos de – de coisas que eles ouvem, e eu penso que eles têm direito de ficarem. Porque, se eu entendo a tradução da palavra pastor, significa um “pastor de ovelhas”. E, por conseguinte, ele é um – um – um que alimenta, ou um que cuida do rebanho, de um grupo de homens e mulheres dos quais o Espírito Santo o tem feito o supersivor. E ele tem direito de saber que tipo de alimento sua ovelha está recebendo, e de onde está vindo. Eu penso que ele tem direito disso.

E se um pastor, ou algumas vezes as pessoas, parecem ficar apenas um pouquinho receosas, isso nunca, não deveria aborrecer a ninguém. Isto deveria apenas trazer um respeito ao coração de um homem, por um homem dessa – dessa categoria, que questionaria isto. E, afinal de contas, se você não está seguro de estar alinhado corretamente, como pode alguma vez andar pela fé?

Se você coloca em sua mente… Agora, isto parece ser psicologia; o que provavelmente é, e é, porém está certo. Porém você bem verdadeiramente, de coração, pensasse que você nunca se levantaria. Vê? Você tem… É justamente tão simples assim.

Você tem que crer. Você tem que ter fé. Você tem que ter confiança. E como pode ter confiança em algo que você – que você nem mesmo sabe aonde você está indo? Como eu poderia viajar por uma estrada que eu nunca estive antes, com uma velocidade vertiginosa, e curvas por todos os lados, não sabendo o que tem na próxima curva? Você tem que ver aonde você está indo, ou você não saberá como andar. E é assim que cada um deveria ser. E logo quando você está indo, então nada vai pará-lo.

E isso é, eu penso, Paulo, o que ele estava tentando transmitir a Agripa aqui. Isso, ele – ele lhes disse que: “Uma vez eu fui um de vocês”.

E eu suponho, possivelmente, que se – se este irmão batista, e pudesse ir até a igreja esta manhã, ele e sua esposa, isso talvez seria o seu testemunho. “Eu – eu uma vez fui um de vocês”.

Ou, a Igreja de Cristo, ou o – o irmão campbellita aqui, fosse até o – até o seu povo. Eu creio que é chamado de um nome melhor; Discípulos de Cristo, eles a chamam, porém é na realidade em prol da doutrina de Alexander Campbell. E logo a Igreja de Cristo saiu de vocês por causa da música. Isso é correto, não é? E se ele pudesse voltar a eles, ele diria: “Eu uma vez fui de vocês”.

E Paulo volta aqui ao rei Agripa, e Festo, e disse: “Eu uma vez fui de vocês. Eu fui o fariseu dos fariseus”. Ele surgiu sob Gamaliel, o grande professor, e ele conhecia todas as regras e regulamentos deles, e exatamente o que eles criam e o que eles não criam. E disse: “Até mesmo eu persegui a Igreja de Deus até a morte”. Está vendo? Ele disse: “Aquela mesma coisa sobre a qual se me questiona, dela fui um perseguidor”.

E eu sempre pensei que a morte de Estevão deve ter deixado Paulo perplexo, por causa de quando ele viu aquele glorioso olhar na face de Estevão. Quando ele levantou os olhos, e os estúpidos lhe batendo até a morte, e ele disse: “Eu vejo Jesus que está á destra de Deus”. E você sabe, você pode matar um mensageiro, porém você nunca pode matar a mensagem dele. É a Verdade. E a mensagem, ainda que Estevão houvesse partido para permanecer com Jesus, todavia, sua mensagem sobreviveu, porque Paulo continuou falando sobre ela, e, de maneira que, ele era “o menor” deles, e não era digno de ser chamado um, porque ele havia testemunhado e – e deu o seu consentimento para se livrar desta pessoa pia.

E portanto, Paulo, como todo homem, diante dos homens, deveria fazer, Paulo levou a sua – sua experiência, de volta, desde o princípio, até ao que ele era; e então a identificou e a baseou sobre a Escritura, para mostrar que o que ele estava fazendo era bíblico. Ainda que fosse contrário á crença deles, todavia ele estava mostrando – lhes que era a Escritura.

Portanto, eu penso que nós… Qualquer coisa, como eu tenho freqüentemente dito, irmãos, vocês que têm estado nos encontros, que, se alguma vez me encontrarem falando coisas que não são bíblicas, então eu penso que é verdade que… ou algum outro irmão, nós deveríamos ir um ao outro e dizer: “Isso não se encontra na Bíblia”, veja você talvez tenha uma interpretação diferente; porém, isto é, se está na Escritura, está bem.

Agora, Paulo estava dando a sua interpretação do que o profeta disse, e do que Moisés disse, que ia acontecer. E ele encontrou Jesus no caminho, em uma visão. E este Jesus bradou chamando – o.

O que, não deveria ser uma coisa difícil para aqueles judeus, como ele disse: “Ó potentíssimo Festo”, e – e assim por diante, que “seria uma coisa estranha para ti, que Deus ressuscitasse os mortos?” Vê? “Porque se tu sabes o que Deus era lá passado, pelas – pelas Escrituras, seguramente tu saberias que Ele é capaz de ressuscitar os mortos”.

E logo ele disse, ele transmitiu para eles a experiência de, a caminho de Damasco, do que aconteceu, que, para lhes anunciar que este Jesus que – que estavam causando tanta agitação sobre ele pregar Isto, era o próprio Deus que haviam servido todo o tempo. Porque, Ele estava no deserto com eles, o Qual os guiou, sendo aquela Luz; o Fogo, Coluna de Fogo que os guiou. E Ele apareceu a Paulo na mesma coisa, a Luz novamente, que cegou – o. E ele perguntou: “Quem és Tu, Senhor?”

E Ele disse: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues. E é duro recalcitrar contra os aguilhões.”

E ele estava tentando explicar para eles o que era, e – e ele estava tentando lhes ensinar isso, aquilo que ele estava apresentando ao povo, que era que: “Jesus Cristo era o Messias, e que Ele tinha morrido, e Deus O tinha ressuscitado”. E isso estava de acordo com as Escrituras. “E que Ele agora havia ascendido ao Alto, ao Deus Pai,” e que – que ele era uma testemunha de Sua ressurreição. É, que, estes milagres, e sinais, e maravilhas, os quais eram estranhos diante das pessoas, não eram nada novo a um verdadeiro crente bíblico, porque a Bíblia falava disto.

Lembre-se dos profetas, como que foi profetizado, o que, na vinda do Messias, e o que Ele faria: “Então os coxos saltariam como cervos,” em Isaías 35 e diferentes Escrituras a que ele pôde ter referido. Nós não temos isto anotado aqui, porém talvez voltando e referindo – a em seu pequeno discurso diante dos reis; porque, eles provavelmente não seriam tão pacientes com ele o quanto vocês são comigo. Então, e logo ele – ele estava explicando, e tentando lhes dizer que o próprio Deus que eles serviam…

E então, novamente, ele disse: ‘Na maneira que é chamado seita”, isto é, “loucura”, veja. ‘A maneira que é chamado seita, essa é a maneira que eu adoro ao Deus que vocês adoram”. Veja: “Na maneira que eu adoro ao Deus que vocês adoram.”

Eu estou seguro que, hoje, se nós estivéssemos com as antigas igrejas ás quais nós pertencíamos, tais como presbiteriana, católica, batista, e diferentes igrejas, nós poderíamos dar mesmo testemunho aquelas pessoas que dizem que elas desejam, como, colocar o irmão em uma enfermaria psicopática, ou algo assim. “Na maneira que é chamada heresia, essa é a maneira que eu adoro ao Deus de nossos pais.”

E que grande testemunho foi esse diante de Agripa, ao ponto que até mesmo no meio do discurso dele, Agripa clamou, e disse: “Paulo, Saulo, por pouco me queres persuadir a que me faça cristão”. Veja, como, ele trouxe as Escrituras tão claramente, todavia era contrária á sua própria sinagoga. Porém as Escrituras estavam tão perfeitamente claras, que ele até disse: “Por pouco me queres persuadir a que me faça como tu és”.

Paulo disse: “Prouvera que se tornassem, todos, só que não desejaria que estivessem nestas cadeias que estou, vejam vocês”, mas que se tornassem um crente como ele era. Em outras palavras, se eu… “Prouvera a Deus que vissem a revelação como – como eu a vejo”. Em outras palavras: “Eu – eu desejaria que pudessem fazer isso”. Está vendo? “Eu apenas desejaria que vissem”.

Quando, Festo, eu creio, lhe disse que ele tinha “estudado demais”, que ele estava “fora de si”. Porém ele o fez saber que ele – ele não estava; que ele – ele sabia onde ele estava.

E eu diria isto, esta manhã, irmãos. Eu desejaria inteiramente que eu pudesse … Não envolvendo a vida de Paulo, porém apenas para dar um pequeno terma básico. Porque, Paulo, porém apenas para dar um pequeno tema básico. Porque, há muitos mais aqui que talvez falarão esta manhã, porém eu desejei esta oportunidade para dizer isto. Agora eu desejaria cada diferente igreja, assim como eu ouvi vocês anunciarem. Templo Betel, Independente, Assembléias de Deus, e diferentes igrejas … Eu desejaria que vocês pudessem inteiramente ver o que eu vejo. Que vocês pudessem, eu desejaria que vocês pudessem ter a visão que eu tenho, então, vocês teriam um entendimento mais claro, a do ministério.
Mensagem pregada pelo profeta William Branham – A divindade explicada – Parágrafos: 20-45.

Para obter a mensagem completa, clique no link ao lado: DIVINDADE EXPLICADA

Esta entrada foi publicada em Ministério e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.