Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura

Agora desejo ler para texto desta tarde, para começar a História Da Minha Vida, se encontra no Livro de Hebreus, no capítulo 13. E vamos começar aqui mais ou menos… Eu diria mais ou menos com o versículo doze.
E por isso também Jesus, para santificar o povo pelo Seu próprio Sangue, padeceu fora da porta.
Saiamos pois a Ele fora do arraial, levando o Seu vitupério.
Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.

Agora isso é um tipo de tema. Pois, veja você, se for a história de uma vida, ou qualquer coisa com respeito a um ser humano, nós não glorificamos isso, e especialmente o passado de um — um homem, se foi tão escuro como o meu. Mas pensei, se lêssemos a Escritura, Deus abençoaria a Escritura. E o meu pensamento é:
Que não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.

Agora, sei que vocês gostam muito de Los Angeles. Vocês têm direito de gostar. É uma grande, bela cidade. Com sua neblina e outras coisas, ainda é uma cidade bela, clima bom. Mas esta cidade não pode continuar, tem que ter um fim.

Eu estive em Roma onde os grandes imperadores e as cidades que eles construíram e pensaram que eram imortais, e cavam vinte pés [Seis metros -Tradutor] para até mesmo encontrar as ruínas delas.

E estive onde os Faraós tiveram seus grandes reinos, e você teria que cavar no chão para encontrar onde os Faraós reinavam.

E todos nós gostamos de pensar em nossa cidade e nossa região. Mas lembre-se, não pode permanecer.

a cidade de belem da judeiaQuando eu era menino, eu costumava ir a um grande pé de ácer. Em minha terra nós temos muita madeira dura. E naquele tempo tínhamos este pé de ácer, o pé de ácer de açúcar, e o que nós chamamos “ácer duro” e “ácer macio.” Esta grande e gigantesca árvore, era a árvore mais linda. E quando eu vinha do campo, de trabalhar no feno e — e nas colheitas, eu gostava demais de ir à esta grande árvore e — e sentar debaixo dela, e — e olhar para cima. E eu via seus grandes e fortes galhos balançar no vento, imenso tronco. E eu dizia: “Sabe, creio que esta árvore estará aqui centenas e centenas de anos.” Não faz muito tempo eu vi a velha árvore, é apenas um toco.

“Porque não temos aqui cidade permanente.” Não, nada aqui na terra que você pode ver continuará. Tem que ter um fim. Tudo o que é mortal tem que se entregar a uma imortalidade. Então não importa quão bem construamos nossas auto-estradas, quão boa seja nossa arquitetura, tudo tem que terminar, porque aqui não há nada que possa continuar. Apenas o Invisível é o que continua.
Mensagem pregada pelo profeta William Branham: A história da minha vida – Parágrafos: 22 ao 29

Esta entrada foi publicada em Salvação e segurança. Adicione o link permanente aos seus favoritos.